Ecossistema

flor

Jaguaripe está situada em uma faixa de terra entre o rio Jaguaripe e seu principal afluente, o rio da Dona, um dos maiores habitats do peixe robalo. Cercada por extensos manguezais que vão até a foz do Jaguaripe, seu principal atrativo é um santuário ecológico, com praias de areia alva, riachos, remanescentes de Mata Atlântica, canais de mangue e apicum, que abrigam pássaros, lobos, tamanduás, raposas, pacas, tatus e uma grande variedade de mariscos e peixes, resultado da mistura de águas doces e salgadas.

O Ecossistema predominante é o Manguezal. As principais espécies de árvoresarbustos encontradas nos manguezais da Bahia são o mangue vermelho (Rhizophora mangle), o mangue preto (Avicennia germinans; A. schaueriana), o mangue branco (Laguncularia racemosa) e o mangue de botão (Conocarpus erecta), todas com diferentes distribuições e consorciadas, em função, principalmente, das influências das marés e dos cursos d’água, como também dos tipos de solos existentes.

Pantanal Baiano

A região recebeu este nome porque possui uma gigantesca área de manguezais, ainda praticamente intocada, com inúmeros corredores, igarapés e rotas alternativas de navegabilidade dentro do mangue. É um verdadeiro santuário composto de uma infinidade de rios, canais, manguezais, até praias de areia claríssima e muita Mata Atlântica. A região é frequentada por pássaros, tamanduás, lobos, tatus, pacas e até mesmo por onças e jacarés. Para quem gosta de pescar, a diversão está garantida: tem badejos, tainhas, robalos, dentões, ente outros. O encontro da água salgada do mar com a água doce dos rios da região permite o crescimento de ostras nas margens dos afluentes do Rio Jaguaripe.

No tocante à vida animal encontrada nos manguezais, de modo geral, existe intensa diversidade, a ponto de ser conhecido como berçário marinho, face à importância desses ecossistemas para a manutenção de várias espécies que passam pelo menos uma parte do ciclo de suas vidas nesse ambiente. Há animais que dependem diretamente da existência dos manguezais como fonte de alimentação e habitat, a exemplo dos moluscos, no caso dos mariscos e das ostras, e dos crustáceos como lagostas, siris, aratus, caranguejos e camarões.

Entre os peixes, destacam-se robalo, a tainha, a sardinha, o linguado e o carapeba, destacam-se entre as espécies relacionadas com os ecossistemas dos manguezais. Vale lembrar que, o fato dos peixes se distanciarem mais fisicamente desses ecossistemas não exime a sua necessidade enquanto fonte de sobrevivência, pois as visitas nesses casos passam a ser vitais para o seu desenvolvimento. Entre os animais mais diretamente relacionados com o ambiente costeiro destacam-se algumas aves que buscam sustentos nos manguezais. A garça azul, o soco-dorminhoco, o gavião-do-mangue e a saracura-do-mangue convivem com mais frequência nesses locais. Os manguezais desempenham inúmeras funções no processo de manutenção da qualidade ambiental e, ultimamente, tem-se ampliado a sua utilização enquanto fonte de riqueza econômica.

As preocupações com o processo de preservação dos manguezais surgiram na década de 1980, num período em que se reflete sobre o seu papel no contexto ambiental. A primeira importância dos manguezais está relacionada com a reprodução da riqueza encontrada na fauna e na flora. Esses ecossistemas funcionam como um “berçário marinho” por permitirem condições favoráveis para que várias espécies de vegetais e animais passem diferentes ciclos de reprodução da vida. Além da produção de vários alimentos para a população de Jaguaripe e região, os manguezais também possuem a capacidade de regular os agentes que degradam a linha de costa. As suas raízes funcionam como filtro dos sedimentos e dos
poluentes que se dirigem para o mar, evitando assim o assoreamento e a contaminação do ambiente marinho. A presença dos manguezais dificulta a erosão na linha de costa e protege o continente do avanço do mar.

Fonte: Miguel Cerqueira dos Santos

Recursos Naturais (Dados Técnicos)

Tipo climático: Úmido e úmido a subúmido

Temperatura média anual: Média: 25.1 C; máxima: 30.7 C; mínima: 21. 6 C

Período chuvoso: Abril a Junho

Pluviosidade anual (mm): Média: 1600 a 2400

Riscos de Seca: Baixo

Solo: Podzol Hidromórfico, Latossolo Vermelho-Amarelo álico, Latossolo Amarelo álico, Areias Quartzosas álicas, Solos Indiscriminados de Mangue (Manguezal), Areias Quartzosas marinhas, Podzolico Vermelho-Amarelo álico.

Clima: é quente e úmido, com pequena variação térmica e distribuição espacial das chuvas muito variável.

Vegetação: Floresta ombrófila densa, Formações pioneiras com influência marinha (restinga) herbácea, Gramíneo-lenhosa, sem floresta-de-galeria, Formações pioneira com influência Fluviomarinha (mangue) arbórea.

  • Mata Atlântica: Restingas, Floresta perenifólia e Floresta Sub- Caducifólia.
Fonte: Secretaria de Planejamento, Ciência e Tecnologia. Centro de Estatística e Informações. e ARO Associação Rio da Onça

 

APA Baía de Todos os Santos

Localização e área

Localiza-se na maior baía do Brasil. Sua área é estimada em 800 km² envolvendo as águas e o conjunto de ilhas da Baía de Todos os Santos, sendo suas 54 ilhas pertencentes aos municípios de Salvador, Madre de Deus, Candeias, Simões Filho, São Francisco do Conde, Santo Amaro, Cachoeira, Saubara, Itaparica, Vera Cruz, Jaguaripe, Maragogipe e Salinas da Margarida.

Atributos Naturais

Região de grande beleza cênica e ecossistemas ricos em biodiversidade, apresentando extensas áreas de manguezais ainda bem conservados, principalmente na região da contra-costa da Ilha de Itaparica, na Baía de Iguape, em Salinas da Margarida e Jaguaripe; remanescentes de Florestas Ombrófila (Mata Atlântica) em ilhas como Itaparica, Frades, Matarandiba, Fontes, Bimbarras e Monte Cristo; e recifes de corais na costa das ilhas de Itaparica, dos Frades, Maré e na Laje da Ipeba.

Fonte: www.meioambiente.ba.gov.br

logo_bts_nova2   APA BTS. Clique Aqui!

 screenshot-www.ceama.mpba.mp.br 2015-04-10 13-21-13   Carta de Sensibilidade Ambiental. Clique Aqui!

 

 4771055   Preserve Jaguaripe. Clique Aqui!

screenshot-aroassociacao.yolasite.com 2015-03-28 08-59-55   Associação Rio da Onça. Clique Aqui!

ARO, vem do nome Associação Rio da Onça, uma referência ao nome da cidade Jaguaripe, palavra de origem Tupi cujo significado é “Rio da Onça”. Uma associação civil, uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos e duração por tempo indeterminado, com sede na Rua Marechal Deodoro Nº 20, Centro – CEP 44480-000, Jaguaripe, Estado da Bahia e foro da cidade de Jaguaripe/BA. Acesse o Site.

 Todos os animais aqui apresentados na galeria estão presentes no ecossistema de Jaguaripe!


bannerdf

anuncio_jaguaripe

%d blogueiros gostam disto: